top of page

CES 2023: Venha daí até Las Vegas, espreitar o futuro da mobilidade!


 

Depois de várias passagens de ano no avião, nos diferentes fusos horários que fui “atravessando”, aterrei em Las Vegas, às 18:00 do dia 31 de dezembro. Como seria de esperar, o ambiente era efervescente e até a famosa “Strip” estava cortada ao trânsito. Depois de assistir ao espetacular fogo de artifício, junto ao “Venetian”, fui tentar curar o jet-lag para o hotel... O CES é um evento imenso! Esta é a história, na primeira pessoa, daquilo onde eu me foquei na edição deste ano... E, ao contrário do ditado, esta história não é para ficar em Las Vegas: venha daí!

 


Uma corrida de automóveis autónomos

para abrir o apetite...

Na segunda-feira, antes dos dias de imprensa do CES 2023, desloquei-me à Las Vegas Motor Speedway, uma das famosas pistas ovais dos Estados Unidos. A minha intenção era saber mais sobre uma inédita competição de monolugares autónomos, designada por Indy Autonomous Challenge (IAC). No local tive oportunidade de assistir aos treinos, entrevistar Paul Mitchell, o presidente da IAC, e conhecer as principais equipas. Já sei que uma corrida de automóveis sem pilotos, à primeira vista, não faz sentido... mas era isso que eu queria perceber: o porquê e o como! Por esta ordem…

O principal objetivo da IAC é posicionar-se como um laboratório para testar e desenvolver a tecnologia ADAS, no sentido de aperfeiçoar as soluções que a indústria automóvel irá utilizar nos veículos de produção. A organização fornece a cada equipa um monolugar igual, um Dallara AV-21, equipado com todo o hardware necessário para uma condução totalmente autónoma (L4/L5). A função dos concorrentes – universidades de vários pontos do mundo – é construir o software que conduz o monolugar ou, dito de outra forma, criar o “piloto” que o conduz. Enquanto estive nas boxes, situadas no centro da pista, assisti a monolugares a atingirem mais de 289 km/h... sem ninguém ao volante e sem qualquer telecomando! O mais curioso é que os “pilotos” têm diferentes estilos de condução: desde o tom mais agressivo do “piloto” do Politecnico di Milano até ao mais preciso do “piloto” da Universidade Técnica de Munique. Por enquanto estas corridas disputam-se em mangas sequenciais, com apenas dois carros em pista ao mesmo tempo.

Se quiser ver a entrevista ao Paul Mitchell, siga este link:

No dia seguinte, dirigi-me ao “Mandalay Bay Hotel” para participar no “CES Unveiled”, um evento exclusivo para media, onde são antecipadas algumas das inovações do CES. Na vertente da mobilidade tive oportunidade de descobrir, por exemplo, a Verge uma moto elétrica com o motor situado no interior da jante traseira que, por sua vez, não dispunha de cubo central. Também tive oportunidade de conversar com os responsáveis da Icoma que me apresentaram a sua moto elétrica portátil, que se pode colocar por baixo de uma secretária! Ao nível da mobilidade autónoma vi várias propostas, até uma cadeira de rodas concebida para deslocações em aeroportos.

Na quarta-feira, também no “Mandalay Bay”, participei nas conferências de imprensa da Bosch, Valeo e Luminar. Foi nesta última conferência que conheci Austin Russel, o fundador e CEO da Luminar Technologies, um fornecedor da nova era do “automóvel definido pelo software”. Há dois anos, este “rapaz” foi considerado o mais jovem “self-made” bilionário do mundo, graças ao crescimento da sua empresa. Austin Russell tem apenas 27 anos, é discreto, super simpático e, para mim, significou uma “porta aberta” em vários eventos da Luminar neste CES... mais sobre isto, à frente!


Comecei pela Luminar e pelo novíssimo Volvo EX90

Quinta-feira, o CES 2023 abriu ao público e eu concentrei as minhas atividades no Las Vegas Convention Centre, um dos maiores Centros de Congressos dos Estados Unidos, com mais de 18 hectares de área de exposição. No CES todo o espaço é aproveitado e, no exterior, visitei o stand da Waymo, o maior especialista em sistemas completos de condução autónoma. Em exibição estava uma espécie de história do veículo autónomo, desde o Google Car de 2009, até ao camião Freightliner Cascadia, passando pelo Chrysler Pacifica, Jaguar i-Pace e um novo concept de nível 5 (sem volante), que será o futuro robotaxi elétrico da Zeekr, uma marca da Geely Holding Group. Vídeo relacionado: https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:7017112381025587200


Já no interior das instalações, dirigi-me de imediato ao stand da Luminar, onde tinha uma entrevista marcada com um responsável da Volvo e onde tive oportunidade de ver em detalhe o novíssimo Volvo EX90. Trata-se de um SUV elétrico de 7 lugares, equipado com um dos sistemas mais avançados de ADAS, dotado de um LIDAR fornecido pela Luminar. Este componente está perfeita e discretamente integrado no tejadilho do EX90. A estética é muito apelativa, com linhas evocativas da tradição SUV da Volvo, mas decididamente moderno. O interior é espaçoso, muito “clean” e muito nórdico. No local tive oportunidade de entrevistar Martin Kristensson, o responsável mundial pelas áreas de condução autónoma e mobilidade na Volvo Cars. Martin explicou que cerca de 90% dos acidentes são provocados por erros humanos e, por isso, qualquer apoio que se possa dar ao condutor vai tornar as estradas mais seguras. Desta forma, a Volvo decidiu dotar o EX90, de série, com um LIDAR. A Volvo deverá disponibilizar no EX90 um sistema ADAS que possibilitará a condução autónoma em certas zonas, permitindo que o condutor retire as suas mãos do volante, leia um livro, veja um filme ou tome o pequeno almoço. Este sistema irá estar disponível, inicialmente, em cenários de trajetos pendulares, no estado da Califórnia. O Volvo EX 90 deverá estar disponível em Portugal a partir do início de 2024. Vídeo relacionado: https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:7017158515882438656


Um mergulho em Inovação

No stand da Caterpillar estava exposto um imenso camião autónomo de 100 toneladas, especificamente concebido para operar em minas. Existem 24 “monstros” destes a trabalhar em diversas minas espalhadas por mundo. Estes veículos podem funcionar 24 horas por dia, gerando uma elevada produtividade. Vídeo relacionado: https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:7017906156165578752


Na Aispex vi um carregador rápido de 60 kW, móvel e dotado de um telecomando, que permite fazer deslocar este “posto”, por exemplo, dentro de um parque de estacionamento. A Peterbilt exibiu um camião-trator, 100% elétrico, dotado de uma bateria de 400 kWh capaz de proporcionar uma autonomia de até 200 km. Também estava presente um modelo idêntico equipado com tecnologia Fuel-Cell. A Bridgestone mostrou um pneu equipado com um sensor na respetiva carcaça, que permitia medir, não só vários parâmetros do pneu, como as condições da estrada. A Magna demonstrou como era possível integrar a iluminação traseira de um veículo no próprio plástico da tampa da mala, de tal modo que os “farolins” ficavam totalmente invisíveis quando apagados. No conceito Mezzo Plus, a Magna mostrou a sua tecnologia de “superfícies dobráveis”, que se adaptavam, a cada momento, às necessidades aerodinâmicas e de refrigeração do veículo. Ainda na Magna vi uma verdadeira gama de pequenos veículos autónomos, destinados à distribuição de mercadorias em zonas urbanas. A marca vietnamita Vinfast mostrou, para além da sua gama automóveis elétricos, uma “coleção” diversificada de bicicletas elétricas. A Ryse apresentou o Recon, um “eVTOL”, ou seja uma aeronave elétrica de descolagem e aterragem vertical, dotada de 6 motores associados às respetivas hélices e, alegadamente, tão fácil de pilotar como um Quad... A Monarch exibiu um trator agrícola elétrico e autónomo. Entre várias novidades, a ZF apresentou uma unidade de propulsão elétrica muito compacta, com apenas um palmo de altura mas capaz de debitar 268 cv. A ItalDesign teve no seu espaço um espetacular concept que “transpunha” o icónico DeLorean para a era da eletrificação e da condução autónoma... A Candela mostrou um barco elétrico dotado de um sistema “Hydrofoil” capaz de o fazer “voar” sobre as ondas. Para quem não dispõe de 2,7 milhões de euros para comprar um Chiron, a Bugatti exibiu a sua gama de scooters elétricas, apresentada no CES de 2022 e com preços na ordem dos 1.200 dólares.

As marcas de automóveis

apostam cada vez mais no CES

Em termos dos principais fabricantes de automóveis, destacaram-se as presenças da Mercedes-Benz, Stellantis, BMW, Afeela e Volkswagen.

A marca da estrela anunciou a sua própria rede de carregadores rápidos que alcançará um total de 10.000 postos em 2030, nos E.U.A., Europa e China. Também mostrou o concept Vision EQXX, que é o Mercedes-Benz elétrico mais eficiente de todos os tempos, atingindo médias de consumos de 8,3 kWh/100 km e autonomias na ordem dos 1.200 km. A marca também mostrou várias evoluções nos seus sistemas de ADAS, como foi o caso da tecnologia Automatic Lane Change (ALC) que, acoplada a um sistema ADAS de Nível 2, permite a mudança automática de faixa na autoestrada e a ultrapassagem de veículos mais lentos.

Na Stellantis as novidades eram dois concept, o RAM 1500 Revolution BEV, que antecipa a futura pick-up elétrica desta marca, e o Peugeot Inception Concept, que exibia a nova geração do famoso i-cockpit da marca.

A BMW montou um espetacular evento para media e outros convidados, onde mostrou, entre outras inovações, o i Vision Dee, um concept que mudava de cor.

A Sony Honda Mobility anunciou a sua nova marca Afeela, que iniciará a comercialização de um BEV em 2026, primeiramente nos E.U.A. e depois no Japão e na Europa.

A Volkswagen fez uma pré-apresentação do novo ID.7, que será lançado no segundo trimestre de 2023.

Uma demostração impressionante

de ADAS e um BEV movido a energia solar

A sexta-feira foi o meu último dia de CES. De manhã dirigi-me ao espaço exterior da Luminar para assistir a um teste comparativo entre dois veículos, um equipado com um Lidar e o outro dotado do sistema convencional de câmeras e radares. O simpático Austin Russel deu-me prioridade para participar na demonstração e tive oportunidade de fazer o teste nos dois veículos. Basicamente, ambos arrancavam ao mesmo tempo e tinham que evitar atropelar dois bonecos que representavam crianças. Enquanto que o veículo equipado com o Lidar “via” perfeitamente a “criança” e travava a tempo, o automóvel com o sistema convencional atropelava o boneco e imobilizava-se uns metros mais à frente.

A Lightyear é uma empresa neerlandesa que produz e comercializa um inédito veículo solar, capaz de cumprir 70 km depois de um dia de exposição solar. O Lightyear 0 tem uma bateria de 60 kWh que lhe permite lidar com a inconstância dos raios solares. Este primeiro modelo da Lightyear tem um preço de 250.000 euros. O segundo modelo, o Lightyear 2, utilizará um modo de propulsão idêntico mas será muito mais convencional e terá um preço a rondar os 40.000 euros.

Um vislumbre do futuro do setor automóvel

Se eu tivesse que sintetizar numa palavra a sensação com que fiquei depois do CES 2023, o termo seria “Oportunidades”, com “O” maiúsculo!

Depois de 100 anos de progressos incrementais no “hardware”, a indústria automóvel e todos os seus principais operadores preparam-se para a aceleração alucinante do mundo do software. Trata-se de um mundo assente na combinação de potentes computadores, novos sistemas operativos, software baseado em inteligência artificial e uma miríade de sensores, câmeras, radares e lidars, cada vez mais precisos. As oportunidades associadas ao conceito do “automóvel definido pelo software” são praticamente infinitas e remetem-nos para a solução dos desafios mais difíceis, a um ritmo que poderá ser muito mais rápido do que se esperava.

O foco é cada vez mais uma mobilidade segura e limpa. Os sistemas de apoio à condução ADAS deixaram de ser uma moda, para passarem a estar em plena fase de execução. A urgência não é tanto chegar à autonomia total (L4 e L5), mas sim dotar cada vez mais veículos de sistemas ultra-eficazes de apoio à condução.

A eletrificação continua a ser a protagonista de uma mobilidade limpa, com soluções cada vez mais dirigidas aos poucos desafios que ainda subsistem à sua adoção generalizada. Também aqui, o “novo mundo digital” poderá fazer a sua magia...

Um bom exemplo da revolução em curso na indústria automóvel é a visão da Luminar, empresa que fornece à Volvo o sistema Lidar que equipa o novo EX90: “Poupar 100 milhões de vidas e 100 triliões de horas em engarrafamentos, nos próximos 100 anos”.


Até para o ano, no CES 2024! l


Ricardo Oliveira

World Shopper | Viver Elétrico PRO

Formação em mobilidade elétrica



Commentaires


Destaque
Mais recentes
Tags
Siga-nos 
  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • Google Classic
bottom of page